gritos na noite...





O meu choro apagará as velas,
Grito para as paredes surdas de sentimentos.
O meu sangue gela,
E não me respondem as sombras na sua janela.

Gritos na noite...

O som não dá sentidos em minhas palavras,
A liberdade parece uma coisa tão escarça.
E meus medos formam uma muralha
Algo que eu não consigo contornar
Minhas fobias tomam meu corpo.
E minha alma só consegue emitir um som de socorro.

Gritos na noite...

Talvez eu enterre-me em minhas próprias memórias.
Meus sentidos beiram a esquizofrenia,
E minha mente entra num transe de moratória
Minhas palavras não conseguem atingir um tom de agonia,
E minha vida modesta se exauriu de alegria.

Gritos na noite...

Sinto-me tonto, louco pelos lados.
Entregue a própria morte.
Pois os meus fantasmas me acompanham a cada passo.
O seu amor é a única coisa que me faz sentir forte,
Quero estar entregue aos seus braços.
O meu único, salvador reduto de morte.

Gritos na noite...

Comentários

  1. Quer entrar em uma comunidade onde caloteiros não terão vez?
    http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=120466800


    Assim somos nós, loucos poetas, que nas noites gritam, em papéis ou em sonhos...
    Gostei do texto!!!

    Sempre Lesstack
    http://semprelesstack.blogspot.com/2011/12/quase-invisivel.html

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Coisas Boas

Resenha : Os Crimes do Mosaico - Guilio Leoni