Desespero ...





- desespero! Desespero!-
Ouço uma comitiva de vozes do além a gritar.
- Desespero! Desespero! -
Na minha cabeça só um pensamento a tilintar.
- Desespero! Desespero! -
As vozes continuam a me atormentar.

Corro para a floresta.
Minhas pernas não acompanham minha pressa.
Árvores tão negras como carvão.
No chão forrado de folhas secas,
Deixo-me cair, ouvindo o retumbar do meu coração.

- Desespero! Desespero! -
Ouço uma vez na nevoa se dissipar
- Desespero! Desespero! -
Tampo meus ouvidos e ponho-me a chorar.
- Desespero! Desespero! -
Fantasmas ao meu redor a dançar.

Fecho os olhos.
Não tenho nada a pensar.
- Desespero! Desespero! -
Quando será que vou sair desse maldito lugar?
- Desespero! Desespero! -

Então, com uma sofreguidão, consigo acordar.
Todo suado, com as mãos tremulas,
Cocaína volto a cheirar,
Pensando em se tratar de um terrível pesadelo.
Não quero mais tornar a ver aquele lugar.

Comentários

  1. nossa eu não tenho muita coisa a dizer,simplesmente ainda existe garndes pessoas neste mundo q dão vida aos poemas fazendo as pessoas sentirem a realidade.então xico vc esta de parabens.eu amei o seu poema

    ResponderExcluir
  2. Olá Xico, estou de volta a blogsfera :)

    E me deparo com essa linda e fortíssima poesia tua, existem lugares que são feitos para que nossos passos nunca mais retornem...

    Abraços e ótimo fim de semana

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Coisas Boas

Porque te amo!